SONHOS


A HISTÓRIA:
SONHOS se passa num outro mundo, um mundo criado por uma grande feiticeira. Há toda uma história por trás da origem, e da criação desse mundo e até da própria criadora, conforme o desenrolar da trama. 

Como personagem principal temos uma garota de 10 anos chamada Marília. Ela vive seu cotidiano normalmente, mas esconde um segredo por trás do seu sorriso contagiante: quando tinha 6 anos foi culpada por seu irmão mais velho de ser a responsável pela morte de sua irmã e de seu pai, isso fez com que a menina chorasse muito, então a mãe dela fez com que ela prometesse nunca mais chorar. Um belo dia, conversando na praça com as amigas, eis que chega a menina mais rica da sua classe: Patrícia. Essa menina fala coisas nada agradáveis para suas amigas, pega o precioso colar de Joana (uma das amigas) e sai correndo na direção da área montanhosa, um local perigossímo, com grave risco de avalanche.

Marília vai atrás dela, e quando está quase a alcançando, misteriosamente, Patrícia literalmente evapora. Marília desmaia. Será que ela será pega pela avalanche?


O PROJETO:
(é uma looooooonga história, mas você pode achar interessante, ou se chatear pela extensão de pensamentos longíquos... então... AVISO: PULE ESSA PARTE!!!, VÁ PARA O FINAL DA PÁGINA!)
Há muito tempo atrás numa cabecinha sonhadora surge algumas ideias... 
Com a febre do anime Pokémon, meu irmão começou a desenhar os 150 pokémons. Eu comecei a colar os desenhos dele (passava uma folha por cima dos desenhos dele e copiava, isso eu chamo mesmo de colar). Meu irmão (mais velho) passou a inventar histórias próprias inspiradas em Pokémon, e lá fui eu copiar isso dele também. Eu mal sabia que aquilo que a gente fazia (umas histórias em quadrinhos toscas) podia ser chamado de fanzine. Fui conhecer esse termo muito tempo depois numas revistas por aí.
O tempo passou, meu irmão acabou desistindo de desenhar e criar suas histórias, mas eu não (por que será?)
Acabei inventando uma história inspirada (plageada!) em Pokémon, nomeada de Supermon (supercriativo, não?). Com o tempo, para não ficar tão parecido com Pokémon fui mudando as coisas. A história de Supermon, tinha como protagonista uma menina chamada Marcela. Nas revistas que saíram por aqui, chamada Pokémon Club, tinha uma informação bastante interessante, contava que o criador de Pokémon tinha colocado o seu nome no protagonista dessa série, aí eu fui fazer a mesma coisa, achei legal, mas depois mudei isso também. 
A protagonista de Supermon tinha um cachorro como companheiro. Este cachorro tinha poderes. Praticamente era como Pokémon, a criança saia numa jornada para se fortalecer e ser a melhor entre tantos outros, juntando outros monstrinhos, fazendo novos amigos, tendo uma rival (que era a Patrícia), conquistando insignas (era assim que escrevia isso?!)... Até tinha uma pokeagenda que chamei de superagenda (é claro!).
Aí vieram outros animes, como CardCaptor Sakura (a protagonista era uma menina!), que viraram febre também (pelo menos pra mim, eu gostava muito, bons tempos aqueles). Aí fui juntando um monte de ideias retiradas de um monte de animes que estavam passando na TV (El Hazard, Digimon, Tenchi Muyo, etc.) e também das revistas. Fui desenhando e desenvolvendo os personagens e a história. Eu tirava ideias de um pouco de tudo que eu gostava e que tinha relação comigo (por exemplo a família da protagonista tem os mesmos membros que a minha: pai, mãe, irmã mais velha, irmão do meio, e eu, a caçula, não as mesmas personalidades e nem os acontecimentos! afinal ficção é ficção!). 
Tinha uma época que eu assistia novela mexicana, gostava também e acabava inventando histórias inspirados nessas novelas. Eu gostava muito de assistir aquelas novelas mexicanas porque os protagonistas eram crianças, e eu era criança e me identificava. Nessa parte eu inventei a personagem Marisol que morava num orfanato (era orfã, assim como muitos dos protagonistas daquelas novelas que assisti) e que possuía magia (tinha um báculo, assim como Sakura). Não sei como ou quando foi que acabei juntando essa personagem com a protagonista de  Supermon, acho que foi numa de minhas brincadeiras. Eu usava pinos mágicos (peças de montar) como os meus personagens. Assim eu também ia inventando um pouco das histórias. Meu quarto era superbagunçado (agora ele é apenas bagunçado, hehehe) e isso também me inspirou com um dos capítulos da série. Tudo me inspirava!
Ao passar dos tempos, conforme eu ia crescendo e percebendo coisas, queria transformar totalmente a minha história, começando pelo título Supermon, acabei fazendo dele uma sigla: Sonhos Ubíquo (era díficil achar uma palavras legal começado com U, então fui procurar no dicionário e achei essa que significava "que está ao mesmo tempo em toda parte") Paranormal Especifico de Revelações Mágicas, Ocultas e Nexas. Assim começava uma história num outro mundo. Essa foi uma das minhas outras grandes influências da infância e adolescência, Harry Potter, que tinha uma trama de mistério e magia tão legal que queria imitar. E outra era começou em minha pacata vida: bruxaria. Livros relacionados com magia, sobrenatural eu pegava na biblioteca (A carta a bruxa e o anel, Missão Monstro, Assistente de Vampiro, História sem fim), eu ia lendo e anotando tudo que achava interessante que eu podia colocar na minha história , que agora se chamava "Supermon: o mundo de Marisol". Gostava de ler diários e escrevia diários, e escrevia diários fictícios dos meus personagens. Livros escritos em primeira pessoa eram bem interessantes (Catarina a menina chamada passarinho, Diário da Princesa).
Acho que acabei decidindo que queria ser escritora na terceira série, com 9 anos. Era uma redação com o tema de "o que eu quero ser quando crescer". Acho que tinha escrito que queria ser escritora e queria adotar um filho (e que nem pensava em me casar).
Para se ter uma ideia de como eu era propensa a desenhar, com uns 5-6 anos, eu rabiscava a Sailor Moon com giz de cera, e fazia umas historinhas em quadrinhos do Sonic (o personagem que eu gostava era o Tails) em que os balões não passavam de rabiscos (eu não sabia escrever). Mandava quadrinhos para o meu pai que estava trabalhando fora, eu desenhava e o meu irmão que escrevia (eu não sabia escrever, só dizia o que devia ser escrito para ele), meu irmão também mandava, eu não lembro quem começou primeiro a fazer quadrinhos para mandar por carta. Quando minha irmã saiu para trabalhar também, eu acabei ficando sem assunto para escrever nas cartas, então uma vez inventei uma história em quadrinhos em umas 3 páginas. Aí eu fiz uma série (também em quadrinhos) chamada "Em busca de uma pista", só com os Supermons (assim como nos especiais antes de cada filme de Pokémon). Nele os Supermons falavam (uma página dessas histórias pode ser lida no meu álbum do orkut aqui). Fiz também a série Supermon, protagonizada por Marília, que mandava para minha irmã, cada verso da folha escrita de carta era um capítulo. Antes de eu terminar a saga (parei no capítulo 42, mais ou menos) a minha irmã voltou para casa.
Eu sempre começava a escrever, mas nunca terminava. Eu sempre estava reescrevendo. Nessas reescritas mudei o nome outra vez para SONHOS (com as minhas leituras de livros mais grossos e sem gravuras).
Em 2006, fui fazer um curso de mangá, que só durou um mês, achava caro demais (e não fui pegar o tal certificado, não estava pronto, deixei pra lá). Eu ia com a minha mãe. Nesse curso eu comecei a desenhar SONHOS, mas não terminei, só fui terminar o primeiro capítulo dele (que vocês podem ler pelos links abaixo) no final de 2007. Finalmente tinha um computador, estava fazendo curso de Web Design e aprendendo a mexer em programas de edição de imagem como o Photoshop. Em 2008, digitalizei e finalizei com retículas e etc.
Depois de publicar "O mais importante" pela web e ter um retorno interessante, também enviei SONHOS, que teve alguns leitores pedindo a continuação.
A história ainda não está concluída, está deixada um pouco de lado. A trama está precisando de muitos encaixes. Acabei empacando no esboço do capítulo 14 do segundo livro. Planejei fazer 10 livros. Praticamente todas as minhas outras histórias estão conectadas com SONHOS (influência do CLAMP, também), os personagens que protagonizam em "O mais importante" estão no mundo de Marisol.
Talvez seja um projeto ambicioso demais...


O FANZINE:
Pode ser baixado no DeviantArt, ou lido online no Flickr
Ainda, se tiver Orkut, pode lê-lo no meu Álbum SONHOS com algumas imagens extras no final. 

A CONTINUAÇÃO?
Fique atento às postagens com o marcador SONHOS.
Você poder escrever o que achou do fanzine em qualquer uma das postagens de SONHOS nesse blog ou mandar um e-mail: marisolmaryline@gmail.com.
Muitíssimo obrigada!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...